O avanço inesperado de Milei e o esvaziamento da vida política

By Kalpon Arris 147 Views
11 Min Read

O fenômeno que marca o avanço dos partidos de ultradireita em diversos países chegou à Argentina. Embora exista uma tendência a vinculá-lo à crise econômica que o país atravessa há décadas – intensificada nos últimos anos com a polarização entre macrismo e kirchinerismo (la grieta), que gerou um cenário de forte hostilidade política entre grupos de oposição –, não podemos deixar de pensar que tal momento é reflexo de um movimento que vem ganhando força em diversas partes do globo, o que insere o país em um contexto mais amplo de mudanças políticas, sociais e no âmbito das mentalidades.

A precarização da vida laboral, a frustração do corpo social, o rechaço dos jovens ao cenário político atual e as desilusões oriundas da pobreza que hoje assola 39,2% da população possibilitaram o surgimento de novas subjetividades que formaram um caldo de cultivo de ideias que para muitos pertenciam ao passado.

Os mais jovens identificam em Milei a rebeldia que quase sempre está presente na juventude, porém, diferentemente de outros momentos, esse setor fez emergir um forte antipopulismo, e o próprio conceito de democracia e liberdade foi interpretado como o reino da individualidade plena, ou seja, o neoliberalismo na sua maior expressão.

No entanto, como afirma Hannah Arendt, em O que é política?:

Caso ocorra a abolição do político, obteríamos uma forma despótica de dominação ampliada e até monstruosa, surgindo um abismo entre dominadores e dominados que não possibilitaria sequer rebeliões, muito menos que dominados controlassem de alguma maneira dominadores. A dominação burocrática, a dominação através do anonimato das oficinas não é menos déspota porque ninguém a exerce. Ao contrário, é ainda mais temível, pois não há ninguém que possa falar com este ninguém nem protestar ante ele.

A postura absoluta contra o Estado defendida por Javier Milei mostra uma face déspota, que é facilmente manipulada através de frases de efeito e gritos de liberdade. Mas a ausência do Estado como mediador das relações de poder expõe os mais frágeis a uma situação de extrema vulnerabilidade. Os cortes em programas sociais, as alterações nas leis trabalhistas e sua defesa do minarquismo colocam em jogo tudo o que foi construído em termos de direitos humanos até o presente momento no país.

Assim como ocorreu no Brasil e alguns países europeus, a Argentina se depara agora com a ascensão de um candidato que desde 2016 vem construindo um discurso antissistêmico e hipercapitalista, muitas vezes de difícil compreensão pela falta de coerência, mas que encontrou no corpo social ressonância.

Muito mais do que a personificação do cansaço social, Javier Milei encarna a figura do pai que resolverá tudo utilizando o autoritarismo autorizado pelos seus eleitores. Esse pai que organiza tudo também tira dos indivíduos suas responsabilidades, afinal o pai cuida, protege, age conforme seus valores e desejos sem consultar os filhos.

A premissa kantiana que anunciava que o estado de dependência oriunda da menoridade (falta de esclarecimento e racionalidade) gera de alguma forma uma satisfação no sujeito, já que ele não faz uso de conceitos éticos para decidir o curso dos problemas sociais, expõe a falta de contato dos jovens com o passado e com os temas vinculados à vida política, uma característica importante quando observamos o esvaziamento da vida social e política na atualidade.

O discurso de Milei desperta certo “comodismo” ao culpabilizar os que dependem de ajuda social pela situação do país hoje, assim como todos os que compõem o quadro político atual. Os bodes expiatórios servem como justificativa rápida para problemas complexos, um mecanismo exitoso quando pensamos na manipulação das massas. Nesse sentido, também podemos utilizar Kant e seu livro Sobre a paz perpétua para entendermos a importância das leis e da moral como condutores da vida em sociedade. Para o autor, não é a economia que deve direcionar a sociedade, já que ela não faz parte da razão. Parafraseando Byung-Chul Han em Capitalismo e impulso de morte, a política teria que se submeter de novo à moralidade e seus valores, tais como a solidariedade, a justiça e a dignidade humana. Para tanto seria necessário frear o “poder do dinheiro” e a hegemonia do capital. Longe desses princípios, vemos a ascensão da irracionalidade de um homem que defende a venda de órgãos como uma prática a ser normalizada, uma mera transação comercial, usando o conceito de liberdade individual de forma rasa, negando o valor da ética e da moral na política, exaltando o capital e a individualidade como as únicas saídas para a crise instalada na sociedade argentina.

Las paso
No domingo passado (13/8), ocorreram as primárias no país. Por meses se especulou sobre os índices que o candidato alcançaria. Para muitos, sua participação seria quase simbólica, no entanto, em diferentes lugares, era comum ouvir que o candidato era o único que apresentava propostas, um plano de governo que traria um novo momento para a história política da Argentina, varrendo o que ele denomina de casta, marcada quase integralmente pelo peronismo.

Embora seu nome circulasse com frequência, poucos esperavam que Javier Milei seria o mais votado, com 30% do total. O resultado nas urnas gerou uma grande movimentação dos outros candidatos, analistas políticos e jornalistas. O que antes era uma possibilidade mínima é agora uma realidade que precisa ser enfrentada. Desde o domingo, os jornais não param de anunciar as inúmeras propostas do candidato e seu conhecido plano motosierra, que inclui corte de diversos ministérios, plebiscito sobre a lei do aborto, e mudança no código 14 da Constituição, em que constam os direitos trabalhistas, a venda de órgãos, o fechamento do Banco Central, educação paga e opcional, e a dolarização, tudo isso mesclado com doses de falácia sobre corte de relações com países que Milei considera comunistas, como China e Brasil, além da proposta de dissolução do Mercosur. Em 2022 a Argentina fez um pacto bilateral com a China para receber fundos para obras de infraestrutura.

Quanto ao Brasil, Milei pensa em cortar vínculos com o país vizinho de forma imediata, e chegou a chamar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de zurdo salvaje. O Brasil é historicamente um dos parceiros comerciais mais importantes da Argentina.

Com o apoio de Diana Mondino, uma economista famosa que possivelmente será ministra das Relações Internacionais caso ocorra sua vitória, e de sua vice, Victoria Villarruel, reconhecida pela negação da ditadura e das cifras de desaparecidos, Milei forma um time com bases duras, que põe em xeque a constituição moral e ética da sociedade argentina. Do outro lado, Sergio Massa (Unión por la Patria), representante da ala peronista, encara a difícil tarefa de reverter os índices dentro dos próximos 60 dias, tendo como os seus principais opositores o próprio Javier Milei (Libertad Avanza) e Patricia Bullrich (Juntos por el Cambio), representante da ala macrista. De maneira geral, tanto Milei como Bullrich representam alas conservadoras, políticas neoliberais. A diferença é que Patrícia busca manter certo verniz social, foca seu discurso nos aspectos econômicos e mantém um perfil discreto. A candidata é avessa a temas polêmicos.

O que esperar dos próximos 60 dias?
Os próximos 60 dias serão determinantes para alterar o atual cenário. A vitória de Javier Milei nas primárias “assustou” a todos. Sem dúvida, o maior desafio de Sergio Massa é mostrar sua capacidade de reinventar o peronismo e reorganizar a sociedade argentina. O que joga contra o candidato é precisamente seu cargo de ministro da Economia e suas decisões pouco acertadas nos últimos anos, o que gerou um estado de hiperinflação e grande descontentamento social. Na próxima semana, o ministro se reunirá com técnicos do FMI numa tentativa de melhorar sua imagem e mostrar certo controle sobre a atual situação econômica do país.

O acordo “dará à Argentina acesso a cerca de US$ 7,5 bilhões”, mas está sujeito à aplicação das medidas acordadas pelo governo e à aprovação do conselho de administração, que se reunirá na segunda quinzena de agosto, informou em comunicado. Os pagamentos serão realizados em dois momentos: um na terceira semana de agosto e o outro na primeira de novembro, declarou à imprensa o ministro da Economia argentino, Sergio Massa, que é candidato à presidência do país pela coalizão peronista de centro-esquerda no poder. Esses fundos são um alívio para Massa, que acusa a oposição de tentar “travar o acordo”, alcançado após semanas árduas de negociações. “Foi acordado um pacote de políticas.”

“Estamos vendo candidatos que fazem vídeos com frases fáceis que viralizam entre pessoas que estão preocupadas com o seu dia a dia. Esses slogans aparentam ser uma solução para os problemas, mas necessitamos de um programa de desenvolvimento exportador”, afirmou Massa. E agregou: “Há um caminho a percorrer. Temos uma tormenta e precisamos administrá-la”. O peronismo enfrenta uma das maiores crises da sua história recente, uma turbulência que está só no começo. Ainda não sabemos o que virá, mas o rumo da história do país já mudou radicalmente.

Share this Article
Leave a comment